sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Sabóia AC ambiciona fugir à despromoção

A equipa do Sabóia AC está no 13º lugar do campeonato distrital da 1ª divisão de Beja, com apenas seis pontos, posição que não deixa o técnico António Oliveira nada tranquilo.
"Esperávamos estar talvez um lugar ou dois acima. Mas as coisas têm corrido mal, alguns jogadores não têm podido vir aos jogos – sobretudo os do Algarve – por causa do trabalho. Temos jogado com miúdos muito novos e tudo se torna mais complicado", reconhece em declarações ao "SW".
Esta situação faz com o emblema de Sabóia esteja em vias de reforçar o seu plantel com mais dois ou três atletas, no sentido de realizar uma segunda metade de época bem mais positiva.
"Com esses reforços será possível subir mais dois ou três lugares na tabela", confia António Oliveira. "Houve jogos que podíamos ter ganho e não ganhámos, mas com certeza que na segunda volta com esses reforços conseguiremos dar a volta", conclui o técnico.

Fonte:  http://www.jornalsudoeste.com

A Taça está de volta

2.ª eliminatória da Taça distrital

Competições
Este fim-de-semana regressa a Taça do distrito de Beja - seniores, com a realização da 2.ª eliminatória. Eliminatória que tem como destaque as deslocações do Castrense a Pias e do Almodôvar a Mértola. Um jogo também interessante joga-se em Penedo Gordo entre a equipa local e o Serpa.

Jogos:          
Taça do distrito de Beja - Seniores
2.ª Eliminatória
Data
Hora
Cabeça Gorda
---
Santaclarense
21-01-2017
15:00
Despertar
---
S. Domingos
22-01-2017
15:00
Piense
---
Castrense
22-01-2017
15:00
Guadiana
---
Almodôvar
22-01-2017
15:00
Desportivo
---
Sabóia
22-01-2017
15:00
Amarelejense
---
Messejanense
22-01-2017
15:00
Odemirense
---
Panóias
22-01-2017
15:00
Penedo Gordo
---
Serpa
22-01-2017
15:00

Pode consultar aqui todos os jogos dos campeonatos distritais da AFBeja
Fonte: AFbeja.com

Seleção distrital futebol masculino sub13

Treino de preparação
20 Janeiro 2017
Associação
O gabinete técnico da AFBeja divulgou a lista de atletas para o treino de preparação da seleção distrital de futebol masculino sub13, a ter lugar no próximo domingo, dia 22 de janeiro, pelas 15H00, no Complexo Desportivo Fernando Mamede - Campo sintético n.º 2 em Beja.

Convocatória:
CD Beja (7) - Pedro Ragageles, Tiago Engana, João Rusu, Vítor Cantara, José Palma, Tiago Pica, Lourenço Teixeira
Despertar SC (8) - Francisco Capa, Diogo Marques, Guilherme Santos, Gonçalo Guerreiro, Martim Sebastião, Pedro Baioa, Filipe Teixeira, Rodrigo Rodrigues
Moura AC (7) - Pedro Turibiu, Diogo Ganchinho, Miguel Inverno, Tiago Anastácio, Guilherme Apolinário, Miguel Guerreiro, Tiago Pato
NS Beja (7) - Francisco Páscoa, Henrique Barnabé, Francisco Bicas, Pedro Jacome, Daniel Correia, Paulo Monteiro, Daniel Afonso
CA Operário (1) - Afonso Costa

Fonte: AFBeja.com

OPINIÃO

Apanha bolas
José Saúde
Revistando o alforge de memórias desportivas, concluo que há imagens que não se apagarão de uma mente que continua a revelar, por enquanto, uma atividade notável. Numa viagem pelas catacumbas do antigamente e viradas para o universo desportivo, sobressai à tona da minha lembrança os apanha bolas no Estádio Municipal Eng.º José Frederico Ulrich, em Beja. Era comum a presença de jovens, em dia de jogos, nas imediações do estádio. A malta formava fileiras, esperando, com alguma ansiedade, que o roupeiro do Desportivo Firmino Lopes, vulgo “tio” Xaxinha, um ilustre jogador do Luso, fizesse a sua equipa de honra e transportasse a rapaziada para o interior de um espaço que era literalmente vigiado nas suas portas de entrada. É óbvio que os relegados restava-lhes arranjarem um pai “emprestado”, à pressa, para ultrapassarem a triagem de uns fiscais que, embora franqueando as portas a quem ostentasse o bilhete de entrada, não davam tréguas a uma miudagem que efusivamente pretendia ver o desafio ao vivo. A equipa do “tio” Xaxinha, escolhida, com olho de lince, apresentava-se sempre unida. Se o Desportivo se encontrasse a ganhar, uma bola chutada para longe não havia apanha bolas disponíveis. Alguns, já tinham saltado o muro integrando uma multidão que em redor do retângulo irradiavam um contentamento desmedido. Ao invés, se a tarde passava por um resultado negativo, lá estava, não só um, mas dois ou três rapazes a correram com bravura para que a bola regrasse ao jogo o mais depressa possível. Era giro ver aqueles apanha bolas envergando velhas camisolas que mais pareciam vestes de dormir de notáveis senhoras. Lembro, rapazes que o seu airoso trajar dava gozo à plebe que assistia ao duelo. Os mais pequenos extasiavam-se com a camisola que lhes tapava os pés, ficando porém a certeza que a escolha do “tio” Xaxinha acertou na muge uma vez que o puto correspondeu às instruções atribuídas nos bastidores pelo mestre. O apanha bolas esfregava as mãos de contentamento visto que a sua missão tinha merecido nota alta do chefe. Para o próximo prélio seria alvo de escolha.
Fonte: Facebook de Jose Saude.

Navegando em boa onda


  A     A     A  
 

A primeira jornada da segunda volta do Campeonato Distrital da 1.ª Divisão da Associação de Futebol de Beja ficou, principalmente, marcada pela vitória do Vasco da Gama sobre o Praia de Milfontes.

Texto e foto Firmino Paixão

Um resultado que projetou a equipa de Vidigueira para o terceiro lugar da tabela. Na frente, nada de novo. O castrense goleou em Saboia, o Almodôvar ganhou facilmente ao Piense. O Serpa venceu o Desportivo de Beja e o Penedo Gordo ganhou ao Aldenovense, subindo ambos um lugar na classificação, à custa da descida do Renascente, que perdeu, em Beja, com o Despertar, enquanto o Guadiana empatou em Odemira. Nos lugares de despromoção mantêm-se o Piense e o Saboia, no topo, o líder castrense dilatou para quatro pontos a vantagem sobre o Milfontes. Marcaram-se 24 golos, metade dos quais à conta do castrense e do Almodôvar e um quarto desse total em Vidigueira e em Serpa. O campeonato regressará, apenas, no antepenúltimo dia do mês, porquanto se realiza no domingo a segunda eliminatória da Taça Distrito de Beja.
Resultados da 14.ª jornada: Serpa-Desportivo Beja,3-0; Almodôvar-Piense, 5-0; Vasco da Gama--Milfontes, 3-0; Aldenovense-Penedo Gordo, 0-1; Saboia-castrense, 0-7; Odemirense-Guadiana, 1-1; Despertar-Renascente, 2-1. Classificação: 1.º castrense, 35 pontos. 2.º Almodôvar, 34. 3.º Vasco da Gama, 32. 4.º Milfontes, 31. 5.º Serpa, 24. 6.º Penedo Gordo, 22. 7.º Renascente, 22. 8.º Odemirense, 19. 9.º Despertar, 17. 10.º Guadiana, 15. 11.º Aldenovense, 11. 12.º Desportivo Beja, 7. 13.º Saboia, 6. 14.º Piense, 5. Próxima jornada (29/1): Renascente-Serpa; Desportivo Beja-Almodôvar; Piense-Vasco da Gama; Milfontes-Aldenovense; Penedo Gordo-Saboia; castrense-Odemirense; Guadiana-Despertar.

Fonte:  http://da.ambaal.pt/

Que grandes empatas


  A     A     A  
 
A divisão de pontos foi o padrão oficial da antepenúltima jornada da primeira fase do Campeonato de Portugal. Quatro empates a um golo e um quinto, entre os Armacenenses e o Aljustrelense, a quatro bolas.
Uma jornada solidária. Um ponto distribuído a todas a equipas da série H e a classificação ficou igual ao que estava. Farense e Louletano na frente, à beira de conseguirem a manutenção diretamente, o Moura em quarto lugar, o Aljustrelense em sétimo e o Sporting de Viana a fechar a tabela. O Moura entrou a ganhar e permitiu o empate aos leões de Viana do Alentejo. O Mineiro andou duas vezes na frente e acabou por conseguir um ponto já ao cair do pano. No domingo, os tricolores recebem o Pinhalnovense, o Moura jogará no terreno do Fabril.
Resultados da 16.ª jornada: Louletano- -Fabril, 1-1; Farense-Lusitano Vila Real, 1-1; Armacenenses-Aljustrelense, 4-4; Moura--Sporting de Viana, 1-1; Pinhalnovense--Almancilense, 1-1. Classificação: 1.º Farense, 33 pontos. 2.º Louletano, 32. 3.º Lusitano Vila Real, 28. 4.º Moura, 24. 5.º Pinhalnovense, 24. 6.º Almancilense, 21. 7.º Aljustrelense, 18. 8.º Fabril, 14. 9.º Armacenenses, 13. 10.º Sporting Viana, 10. Próxima jornada (22/1): Lusitano Vila Real--Louletano; Fabril-Moura; Almancilense--Farense; Armacenenses-Sporting Viana; Aljustrelense-Pinhalnovense. FP

Fonte:  http://da.ambaal.pt/

São Marcos isolado

O São Marcos e o Amoreiras--Gare são os líderes isolados nas duas séries do Campeonato Distrital da 2.ª Divisão. O Cabeça Gorda deixou pontos em Alvito e o Messejanense consolidou o segundo lugar na sua poule.
O principal registo da jornada é o facto de o Alvito ter conseguido empatar o Cabeça Gorda, resultando numa perda de pontos para o Ferrobico, que deixou o São Marcos isolado no primeiro lugar. Outro sublinhado para o empate arrancado pelo São Domingos no terreno do Bairro da Conceição, mantendo o surpreendente terceiro lugar da série A. E uma referência especial para os primeiros triunfos conseguidos pelo Salvadense e pelo Naverredondense. O Amoreiras continua líder, perseguido de perto pelo Messejanense. O campeonato dará lugar à Taça, competição em que permanecem ainda seis equipas (três de cada série) deste escalão.
Resultados da 4.ª jornada – Série A: Bairro da Conceição-São Domingos, 2-2; Alvito-Cabeça Gorda, 2-2; São Marcos-Negrilhos, 6-0; Salvadense-Amarelejense, 1-0. Classificação: 1.º São Marcos, 12 pontos. 2.º Cabeça Gorda, 10. 3.º São Domingos, 10. 4.º Bairro da Conceição, 4. 5.º Alvito, 4. 6.º Amarelejense, 3. 7.º Salvadense, 3. 8.º Negrilhos, 0.
Próxima jornada (28/1): Amarelejense-Bairro da Conceição; São Domingos-Alvito; Cabeça Gorda--São Marcos; Negrilhos-Salvadense. Série B: Naverredondense-Aldeia dos Fernandes, 1-0; Messejanense- -Santaclarense, 4-1; Amoreiras Gare--Panoias, 4-1. Folgou o castrense B. Classificação: 1.º Amoreiras-Gare, 10 pontos. 2.º Messejanense, 9. 3.º Naverredondense, 5. 4.º Aldeia dos Fernandes, 4. 5.º Santaclarense, 4. 6.º castrense B, 1. 7.º Panoias, 0.
Próxima jornada (28/1): Panoias-Naverredondense; Aldeia dos Fernandes-Messejanense; Santaclarense-castrense B. Folga o Amoreiras-Gare. FP

Fonte:  http://da.ambaal.pt/

O clube do “meu coração”


O Clube Desportivo de Almodôvar, que não assumiu qualquer tipo de candidatura ao triunfo final, já liderou o campeonato durante cinco jornadas e continua no topo da tabela, com menos um ponto que o líder.

Texto e fotos Firmino Paixão

Uma época tranquila foi a projeção dos responsáveis almodovarenses para a presente temporada, condição a que o treinador, Sandro Almeida, acrescentou qualidade e ambição. O resultado está à vista. O antigo atleta do clube que, volta e meia, assume a sua liderança técnica, dispõe de um plantel jovem, polvilhado com alguma veterania, quer andar lá em cima e, se possível, conquistar a Taça Distrito de Beja. Como? Com ambição e praticando futebol de qualidade, como aqui deixou expresso.


O castrense assumiu claramente a candidatura, o Milfontes nem por isso. E o Desportivo de Almodôvar é candidato?Quando planeámos a época, a direção pediu--nos para fazermos um campeonato tranquilo. Perguntei o que era esse campeonato tranquilo e disseram-me que seria assegurar a manutenção tão cedo quanto possível. Mas andarmos aqui só para assegurarmos a manutenção foi algo que eu achei pouco para um clube como o Almodôvar.


E o que propôs?Redefinimos essa ideia de campeonato tranquilo, perspetivando andarmos sempre nos lugares de cima da tabela. Já estivemos no primeiro lugar, agora estamos no segundo mas, na realidade, o nosso objetivo é andarmos tranquilamente nos lugares cimeiros e dignificar ao máximo a nossa camisola, porque este clube já foi campeão e habituou-nos sempre a lutar pelos melhores lugares. Esse é o primeiro objetivo.


Então existem mais?Sim, outra meta que nos foi traçada é a de tentarmos chegar o mais longe possível na Taça Distrito de Beja. É um troféu que nos falta e, então, existe o propósito de um dia o podermos conquistar.


A equipa andou perto de um terço do campeonato na frente, isso é mais do que tranquilidade. É ambição, é qualidade…Uma das questões a que me propus, quando aqui regressei, foi dar qualidade a esta equipa que, realmente, tem muito valor. Queremos praticar bom futebol, proporcionar bons espetáculos e acho que estamos a consegui-lo. Obviamente que ainda temos toda uma segunda volta para darmos continuidade a este trabalho e, quem sabe, para nos intrometermos na decisão do campeonato.


Quando não o lideraram ocuparam quase sempre lugares no pódio e isso tem um significado relevante. Sim, é a qualidade da equipa de que já falei. Vamos para a 15.ª jornada, temos apenas duas derrotas, 11 vitórias e esses triunfos foram em jogos com muita qualidade. É isso que a minha equipa quer e procura demonstrar. Que existe aqui qualidade e que estão aqui bons jogadores. A equipa tem ambição, está a atravessar um bom momento e vamos continuar com essa postura.


Na sua opinião, quem são os principais candidatos?O castrense, naturalmente, tal e qual como se assumiu. O Milfontes, como referiu, não se assumiu mas está na luta e o Vasco da Gama que tem uma excelente equipa. Muito cuidado com o Vasco da Gama, porque ainda vai jogar em casa com o castrense, ganhou ao Milfontes e jogará connosco. Portanto, cuidado com esta equipa que tem bastante qualidade. Podemos inseri-la no lote de candidatos.


Sofreram duas derrotas. Uma delas foi uma goleada em casa com o castrense. Não parecia o Almodôvar que estava em campo. Existem dias assim, em que essas coisas, inesperadamente, acontecem. Na realidade, esse jogo foi mau demais para ser verdade. Mas a equipa ultrapassou isso rapidamente e no jogo seguinte, no Penedo Gordo, um campo muito difícil, demos a volta ao texto, trouxemos de lá os três pontos e voltámos outra vez ao primeiro lugar. Agora só temos que dar sequência às boas exibições e bons resultados.


A proximidade entre Almodôvar e castro Verde dificulta-vos o recrutamento de jogadores?O castrense tem outras armas que nós não temos. Estão lá jogadores de Almodôvar, nós também temos atletas de castro Verde, haverá sempre esta troca de jogadores e uma rivalidade que é salutar, mas, na realidade, não conseguimos atingir os orçamentos que eles gerem. É uma força que não dominamos.


O vosso plantel tem muitos jovens enquadrados com três ou quatro figuras históricas do futebol distrital…Temos um plantel com alguns juniores, temos alguma veterania e depois temos uma maioria de atletas dentro dos 24 ou 25 anos. Mas os jogadores mais veteranos são uma mais-valia para a nossa equipa, porque ajudam a que os mais jovens cresçam como jogadores. O clube pretende recrutar nas camadas jovens, porque não temos condições financeiras para ir buscar atletas a outros lados.


O Almodôvar foi buscar um treinador que sente a mística do clube e conhece os cantos à casa.Tinha cá estado há dois anos quando competimos no Campeonato Nacional. Naquela altura o nosso propósito era ganhar jogos e deixar uma boa imagem do nosso clube. Conseguimos ganhar a grandes equipas, depois, fiz um interregno de dois anos e voltei no início da época com essa mesma ambição, deixar aqui uma pouco da minha força, da minha mística e do meu amor ao emblema do meu coração. 

Fonte: http://da.ambaal.pt

Correr por prazer


A Associação Team Running Cabras Doidas, constituída em 22 de dezembro do último ano, com sede na cidade de Beja, é, seguramente, o mais recente polo do movimento associativo bejense. Vamos conhecê-la.

Texto e fotos Firmino Paixão


O estrangeirismo running, que mais não significa do que “correndo”, é, normalmente, ligado à prática informal, à corrida recreativa e não competitiva e muito associada a outro estrangeirismo, o trail, quando desenvolvido fora de percursos urbanos, por trilhos e em absoluto contacto com a natureza. Uma característica que poderia explicar a invulgar designação desta associação, Cabras Doidas, porquanto a cabra e a montanha combinam na perfeição. Mas não! A alegoria que dá nome a esta novel coletividade nasceu do acaso, e identifica a existência de alguma irreverência na forma descontraída como usufruem da atividade física.
Ana Isabel Curva, Carlos Nunes e Mário Caetano dirigem a associação, mas foi este último que nos apresentou o curioso projeto desportivo em que os troféus que perseguem “são tão simples como cortar a meta em todas as provas”.
Mário Caetano descreveu o coletivo: “Somos um grupo entre 15 a 20 pessoas, algumas das quais participam muito regularmente em provas, que se reuniu informalmente em maio de 2016 e que se constituiu como associação no final do ano passado, com uma característica diferente do movimento associativo em geral”. Uma invulgaridade que passa pela potenciação de práticas de vida saudável através da atividade física, “um combate ao sedentarismo, à obesidade, a todas as doenças, tanto a nível físico, como mental, que advêm da inatividade, procurando que as pessoas saiam de casa, que se divirtam praticando desporto de uma forma divertida e não ficarem presos ao sofá e que venham desfrutar da natureza e procurar melhor qualidade de vida”, revelou. A essência do projeto é, assegurou o dirigente, “principalmente o trail running e temos também uma secção de pedestrianismo para promovermos a caminhada, dado que nem todas as pessoas correm, achámos por bem introduzir essa vertente. Há pessoas que começam pelas caminhadas e depois evoluem para a corrida, outras há que apenas se querem divertir, usufruir da natureza, através de práticas saudáveis, por isso, introduzimos também essa área”. No entanto, completou Mário Caetano, “também fazemos provas de estrada, aliás, estamos a pensar, durante a presente época desportiva, filiarmo--nos na Associação de Atletismo de Beja para disputarmos as suas provas, dependendo sempre da disponibilidade de quem queira fazê-lo, mas sem estarmos a pensar em qualquer tipo de competição pelos melhores lugares, taças ou troféus. Queremos é chegar ao fim de cada prova e sem lesões, o que também é muito importante”.
Grande parte dos atletas “já tem alguma idade e passou por outros clubes aqui da região, mas, neste momento, está connosco, identificou-se mais com o nosso projeto, com o nosso espírito de loucura saudável, mas não estamos contra ninguém, pelo contrário”, diz Mário Caetano, acrescentando que tem “muito orgulho por tudo o que tem sido feito ao nível do atletismo regional. O nosso projeto é um pouco diferente, não tem tanta pressão competitiva, corremos pelo prazer de correr, temos essa matriz e quem se identificar com esta maneira de estar no desporto, que se junte a nós”.
O objetivo, agora, é crescer. Por isso, “e porque fizemos um esforço grande para custear a abertura da associação e ainda não temos fundos próprios, nem subsídios, não vamos organizar qualquer iniciativa que assinale a nossa oficialização”. Contudo, o próximo passo, assegurou Mário Caetano, será “a filiação na Associação de Atletismo de Beja pela simples razão de que, sendo nós uma coletividade bejense que promove atletismo, embora de forma informal, devemos reforçar a nossa associação para que esta possa ter um peso mais elevado na modalidade a nível regional e nacional”.
Abertos à generosidade de quem os queira apoiar ou patrocinar, a seu tempo, garantem, irão bater a algumas portas. Para já, utilizam como sede provisória as instalações da antiga MAJU. “Escolhemos este local como sede para recuperarmos um pouco o que foi o passado grandioso desta antiga casa”, afirmou Mário Caetano, garantindo também a presença dos atletas no próximo domingo no Trail dos Escoteiros de Beja.

Fonte:  http://da.ambaal.pt

O título ficou em Beja


O Beja Basket Clube sagrou-se campeão regional da Associação de Basquetebol do Alentejo, no escalão sub/16, assegurando o acesso à fase de qualificação para o Campeonato Nacional e a participação na Taça.

Texto e fotos Firmino Paixão


O Pavilhão Municipal João Serra Magalhães, em Beja, recebeu no último fim de semana os quatro jogos da fase final do Campeonato Regional de Sub/16 Masculinos em Basquetebol, certame onde competiram as equipas do Beja Basket Clube, Atlético de Reguengos, Grupo Desportivo André de Resende (Évora) e Salesianos de Évora. A final disputou-se entre bejenses e reguenguenses e terminou com a vitória da equipa anfitriã por 74/56 (parciais de 19/17, 36/31 e 56/46) sagrando-se campeã regional nesta categoria. Um triunfo que o técnico, Pedro Severino, justificou dizendo que, “no início da época, os miúdos comprometeram-se em trabalhar para que isto acontecesse”, explicando ainda que “na fase regular já tínhamos ganho a esta equipa e tínhamos perdido um primeiro jogo, mas mostrámos, mais uma vez, que somos melhor equipa”.
O treinador lembrou que “estes miúdos têm muita qualidade, alguns começaram este ano, outros já estão no clube há mais tempo e trabalham no duro. Os outros acompanharam- -nos nesse esforço e construímos uma grande equipa”. Quanto ao título conquistado, assegurou: “É muito importante para a modalidade e para o Beja Basket Clube, porque os mais jovens, vendo estes miúdos ter sucesso, percebem que têm que trabalhar bem para conseguirem o mesmo feito que estes. Por outro lado, também traz mais miúdos para o basquete e, não menos importante, traz mais público para as bancadas, como se viu nestas jornadas”.
Carlos Janes, técnico do Atlético de Reguengos, finalista vencido, considerou que “foi uma boa final, houve um vencedor e um vencido, parabéns ao vencedor que ganhou bem, é uma equipa que tem 10 jogadores de nível muito equilibrados e isso faz uma diferença, embora mínima. Depois, temos o controlo emocional que os miúdos trazem para uma final, um bocado nervosos, mas fomos uns dignos vencidos. A minha equipa também está de parabéns pelo que fez hoje, como está, naturalmente, a equipa do Beja, que foi digno vencedor”. O técnico referiu ainda que “o Reguengos tem muitos atletas no basquetebol, mas gostaríamos de ter mais, como é óbvio, quanto mais tivermos melhor será a nossa formação e o nosso trabalho. Somos, de há muitos anos a esta parte, o maior clube da Associação de Basquetebol do Alentejo, e continuamos o nosso trabalho, perdendo, ganhando, mas sempre com a perspetiva de irmos melhorando a qualidade dos nossos atletas”.
Já o responsável técnico do André de Resende, Rui Dias, sustentou que “o terceiro lugar corresponde, de alguma forma, às nossas expectativas. Temos tido uma equipa muito pouco homogénea, temos jogadores muito altos, outros muito baixos, mais novos, alguns sub/14, portanto não estávamos à espera de um lugar entre os primeiros, mas fizemos um bom campeonato. O terceiro lugar acabou por ser uma boa posição, porque fizemos um bom jogo contra os Salesianos. Estarmos aqui já foi muito bom, porque notei que os jogadores evoluíram muito nestes jogos da fase final”.
Jorge Malarranha, treinador dos Salesianos, comentou que ter vindo a esta final “foi já um prémio para os miúdos, porque esta equipa foi renovada este ano, perdeu o melhor atleta que foi, recentemente, para o Benfica, mas ainda bem para nós que conseguimos colocar um jogador da formação num nível superior, é um bom sinal, revela que estamos a trabalhar bem na nossa área de formação. Os que ficaram têm vindo a trabalhar muito bem, ainda existem algumas debilidades técnicas e físicas, mas merecemos estar aqui, onde lutamos o máximo que podíamos e isso é o que interessa”. E reforçou a ideia de que “esta equipa está a trabalhar muito bem, já não é o primeiro atleta que sai dos Salesianos para um nível superior e é isso que nos interessa, colocar os miúdos da formação onde eles querem e gostam de estar”, concluiu.
Resultados – eliminatórias: Beja Basket Clube-André de Resende, 76-39; Atlético de Reguengos-Salesianos, 110-56. Apuramento do 3.º e 4.º lugar: André de Resende-Salesianos, 63-49. Final: Beja Basket Clube-Atlético de Reguengos, 74-56. 

Fonte: http://da.ambaal.pt